Senador Chico Rodrigues tinha R$ 33 mil na cueca; delegado desconfiou ao ‘ver volume retangular na parte traseira’

O dinheiro escondido na cueca do senador Chico Rodrigues (DEM-RR) foi encontrado nesta quarta-feira (14) pela Polícia Federal após ele pedir para ir ao banheiro e o delegado perceber um “volume estranho na parte traseira da roupa” do político.

A operação foi deflagrada para combater um suposto esquema criminoso de desvio de recursos públicos para o combate ao coronavírus em Roraima (leia mais ao final desta reportagem). Em nota divulgada nesta quarta, Chico Rodrigues – que até então era vice-líder do governo no Senado – afirmou que não tem envolvimento com qualquer ato ilícito.

Detalhes da apreensão dos R$ 33.150 nas partes íntimas do parlamentar constam da decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, que nesta quinta-feira (15) determinou afastamento de senador por 90 dias em razão da “gravidade concreta” do caso. O flagrante dos policiais foi registrado em vídeos.

Barroso determinou ainda a retirada do sigilo de parte das investigações, mas manteve em reserva vídeos das buscas. O ministro ordenou que um desses registros “deve ser mantido em cofre da própria Polícia Federal, em absoluto sigilo” porque “exibe demasiadamente a intimidade do investigado e não produz acréscimo significativo à investigação”.

“Se comprovada a culpabilidade do investigado, estará justificada a sua punição, mas não sua desnecessária humilhação pública”, disse Barroso.

Segundo o relatório da PF, Rodrigues vestia short de pijama azul e uma camisa amarela quando os policiais da operação Desvid-19 chegaram à residência dele. Os maços de dinheiro escondidos na cueca foram apreendidos em três situações que aconteceram em sequência. Veja, abaixo, algumas imagens (elas estão em baixa qualidade porque são de uma reprodução do inquérito da PF).

O documento cita que o senador “insistentemente, ocultava valores em suas vestes íntimas”.

Ainda de acordo com o relatório, o senador pediu para ir ao banheiro após as buscas no quarto do filho dele. O delegado autorizou, mas disse que o acompanharia. “Nesta hora, o Delegado Wedson percebeu que havia um grande volume, em formato retangular, na parte traseira das vestes do senador”, diz o documento.

Desconfiado do volume que “destoava completamente do pijama utilizado pelo senador”, o delegado fez a busca pessoal e achou R$ 15 mil. O montante estava “no interior de sua cueca, próximo às suas nádegas”.

Já na sala da casa, o senador foi questionado por três vezes se ainda havia mais valores em espécie. Na última delas, com bastante raiva, Chico Rodrigues “enfiou a mão em sua cueca, e sacou outros maços de dinheiro” que totalizaram a quantia de R$ 17,9 mil. Os outros R$ 250 foram apreendidos na última busca pessoal.

Dinheiro na cueca depois da chegada dos agentes

A PF suspeita que Chico Rodrigues colocou os valores na cueca depois que os policiais já estavam na casa. Isso porque eles não teriam percebido nenhum volume nas roupas do parlamentar entre o momento da chegada deles ao local e a ida ao quarto do filho do senador.

“É possível afirmar que os valores foram colocados pelo Senador em suas vestes íntimas entre o momento em que a equipe deixou o seu quarto e iniciou a busca no quarto de seu filho, de forma que ele teria pedido para trocar de roupa em seu quarto para se desvencilhar dos valores que acabara de esconder em suas vestes. Contudo antes disso, foi flagrado pela equipe policial”, diz o relatório.

As cédulas encontradas com o senador, segundo a PF, não tiveram sua origem lícita comprovada. Além do montante na cueca, foram apreendidos R$ 10 mil e US$ 6 mil que estavam em um cofre no quarto do senador.

A diligência no imóvel foi acompanhada pelo advogado dele. Na manhã desta quinta, a defesa afirmou que ainda não havia tido acesso ao processo do STF.

Esquema teria desviado mais de R$ 20 milhões

Chico Rodrigues é apontado no inquérito como membro de um esquema que desviou mais de R$ 20 milhões em emendas parlamentares que seriam destinadas ao combate da Covid-19 em Roraima. A Controladoria Geral da União (CGU) também participou da investigação.

Constam da investigação indícios de que o senador se utilizou da influência na função pública para beneficiar empresas privadas a ele ligadas, direta ou indiretamente, desviando dinheiro destinado ao combate à Covid-19.

Roraima já recebeu, em 2020, cerca de R$ 171 milhões repassados pelo Fundo Nacional de Saúde (FNS). Desse valor, R$ 55 milhões são especificamente para combate à Covid-19, segundo a CGU.

Ao todo, policiais federais tinham ordem para cumprir nesta quarta sete mandados de busca e apreensão em endereços em Boa Vista. Todas as ordens judiciais foram expedidas pelo STF.

Chico Rodrigues deixou a vice-liderança no Senado

O “Diário Oficial da União” (DOU) publicou em edição extra nesta quinta mensagem do presidente Jair Bolsonaro ao Senado informando sobre a saída do senador Chico Rodrigues (DEM-RR) da vice-liderança do governo na Casa.

O despacho do presidente pede a adoção de providências para a saída de Rodrigues do posto. Segundo o ato, o parlamentar pediu para sair da vice-liderança do governo no Senado. O senador ocupava a liderança desde 14 de março de 2019, quando a indicação pela Presidência foi publicada no DOU.

A permanência de Rodrigues na função era vista como um desgaste para Bolsonaro, que tem repetido nos últimos dias que não há corrupção em seu governo. Recentemente, o presidente disse que “acabou” com a Operação Lava Jato porque não há casos de corrupção na sua gestão.

Bolsonaro é amigo de Rodrigues e aparece em vídeo, que voltou a circular pelas redes sociais (assista abaixo), no qual disse ter “quase uma união estável” com o parlamentar. O senador também emprega em seu gabinete no Senado Leonardo de Jesus, conhecido por Leo Índio, primo dos filhos de Bolsonaro.

Fonte: g1.globo.com

Foto: Waldemir Barreto / Agência Senad

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.