PSB admite erro no uso de jato que matou Campos

Embora não admitam em público, dirigentes do PSB sabem que houve erros no uso do Cessna Citation PR-AFA na campanha eleitoral. O avião caiu e matou o ex-governador Eduardo Campos e outras seis pessoas dia 13.
O PSB contratou uma equipe de advogados para atuar nesse e em outros casos da campanha à Presidência. O jato estava oficialmente em nome da AF Andrade, um grupo de usineiros, e não poderia ter sido usado na campanha, como revelou o GLOBO na ultima sexta-feira.
Segundo autoridades da Justiça Eleitoral, uma empresa só pode doar serviço ou produto ligado a suas atividades fins. Não há registro de que a AF atue como empresa de táxi aéreo.
O uso do avião pode complicar a prestação de contas de campanha do PSB. A doação dos serviços de táxi aéreo não consta dos registros do partido no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
O advogado Ricardo Penteado, um dos novos encarregados da defesa do PSB, afirmou que começou a conversar com dirigentes do partido para levantar documentos sobre as transações relacionadas ao Cessna.
Penteado disse que, só após falar com alguns dirigentes do PSB, poderá falar sobre o uso do jato:
— Estou me inteirando de tudo isso. Mas estamos tendo dificuldades de recolher alguns documentos — disse.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.