Menina é baleada e menino desaparece no mar em Santa Clara

A menina Lucicleide Ramos Medeiros, de 10 anos, foi baleada no abdômen por assaltantes, às 4 horas da madrugada desta terça-feira de carnaval, na praia de Santa Clara, em São Francisco de Itabapoana.

O pai da menina disse à Polícia que eles retornavam para casa, na Rua Santa Clar, quando viram três homens assaltando um casal. “Caminhávamos de volta para casa nas proximidades do Hotel Mineirão, quando três homens saíram de um matagal e assaltaram o casal que vinha logo atrás da gente. Começamos a andar mais rápido. Foi quando a mulher que foi assaltada gritou “pega ladrão”, e um dos assaltantes atirou, acertando a minha menina”, contou Luciano Silva Medeiros, de 36 anos, pai da vítima, que reside no Parque Guarus, em Campos, e estava passando o carnaval em Santa Clara.

O atendimento inicial foi feito no Hospital de Ponto de Cacimbas, em SFI, e em seguida a menina foi levada para o Hospital Ferreira Machado(HFM). Segundo a equipe de plantão no HFM, ela não corre risco de vida, já que a bala saiu. Policiais militares ainda fazem buscas, mas os criminosos que balearam a menina e assaltaram o casal ainda não foram localizados.

Menino desaparece no mar – O estudante Igor Gomes dos Santos, de 11 anos, desapareceu quando se banhava na Praia dos Sonhos(entre Santa Clara e Guaxindiba) na manhã desta segunda-feira de carnaval. A mãe do menino, Neiva Gomes do Espírito Santo disse a equipe do Corpo de Bombeiros, que esteve no local para tentar encontrar o corpo, que ele se banhava nas proximidades do Hotel Tio Martins, em companhia do irmão e de um primo, quando desapareceu. Fonte: Campos 24horas

One thought on “Menina é baleada e menino desaparece no mar em Santa Clara”

  1. Bom dia Noel!
    Gostaria de dar uma sugestão ao prefeito e aos vereadores de SFI.
    Já que não podemos contar com uma unidade do Corpo de Bombeiros do Estado, temos que dar uma definição para esse dilema, o que não dá é para gastarmos dinheiro com uma empresa contratada para o serviço, que na hora da responsabilidade, “joga nos peitos do Estado” que por sua vez “finge de morto”.
    Segue a sugestão: Temos uma guarda municipal efetiva e numerosa, com uma escala bem larga. Por que não verificar dentro destes servidores, os VOLUNTARIOS para receberem treinamento, dado pelo Grupamento Marítimo do Estado, não por empresa contratada, para nos meses de dezembro, janeiro, fevereiro e março quando o carnaval se alonga para exercerem função de salva vidas em nossas praias, teremos assim um grupo permanente e efetivo para função e nos demais meses guardas civis municipais em suas funções, devo lembra que devemos a estes VOLUNTARIOS uma remuneração extra como forma de incentivo, visto que isso ainda vai custar menos aos cofres públicos que contratar uma empresa particular, visto que mesmo pagando salário aos seus funcionários tem-se um bom lucro.
    Fidélis, Guaxindiba

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.